Natalie Smith, Atriz, nascida em São Paulo, morou no Rio Grande do Sul, até se mudar para o Rio de Janeiro, com 19 anos, para seguir a carreira de atriz.

Quando mais nova, por volta do ano de 2005, quando a novela RBD começou a ser exibida no Brasil, a atriz começou a ser comparada com a cantora Anahí, integrante da banda. E logo começou a ser cover e adotando “Nathi Wera” como nome artístico.

Levando consigo muitos trabalhos, Natalie já participou de  Web Séries que fizeram e fazem sucesso, como “Entre Duas Linhas“, atualmente em “A Melhor Amiga da Noiva” e em breve “100 Limites” (que terá seu lançamento dia 27 de Abril).

As séries foram inspiradas em FanFics de “Camren” nome dado ao casal de Camila Cabello e Lauren Jauregui pelos fãs, Natalie já interpretou o papel das duas e contou pra gente como foi essa experiência e falou um pouquinho sobre sua carreira, confira:

CONEXÃO POP: Você grava uma Webserie inspirada  no “romance” Camren, você shippa, é fã de Fifht Harmony?

Eu sou fã das meninas, acompanho o trabalho delas desde o início e adoro, mas nunca shippei como namoradas! Gosto demais da Camila e da Lauren! Sempre torci pela amizade delas! E tento me esforçar o máximo pra transmitir um pouco da Lauren, como foi em Entre Duas Linhas, e agora a Camila, em A melhor amiga da noiva

Você é atriz, essa paixão pelo teatro vem desde a infância ou depois da fase adulta/adolescente?

Desde que eu aprendi que quando crescesse a gente podia trabalhar com o que a gente ama. Eu tenho alguns artistas na família, então isso me influenciou bastante e me fez continuar seguindo esse sonho! Mas vem desde quando eu era bem novinha! E hoje é o que eu mais amo fazer e não me vejo sem.

Como está sendo gravar a Juliana, que é inspirado na Camila, após gravar a Lauren em Entre Duas Linhas?

Meu jeito todo mundo diz que é muito mais parecido com o da Camila, um jeito mais espontâneo, mais brincalhão… Então eu estou em uma região que eu gosto muito de interpretação, é um desafio porque é uma história que eu nunca vivi. Já a Lauren era bem o oposto, gostei de trabalhar ela. Eu me esforcei o máximo para poder interpretar a Lauren da maneira mais parecida possível. A gente tem um trabalho de assistir os vídeos, de ver fotos, para poder aproximar o máximo possível nos jeito, na fala. Mas eu, Natalie, estou em um lugar, não só mais confortável, mas que eu gosto, que é esse jeitinho da Camila. Está sendo uma alegria brincar no universo da Juliana. Mas por exemplo, agora a gente vai fazer uma cena que eu jamais imaginei a Camila vivendo essa situação. É muito relativo, você tem que captar um pouco da essência delas e trazer pra essas situações mais cotidianas. Eu acho que isso que é o mais difícil, que é o nosso desafio, de não saber exatamente como elas lidariam em uma situação. Mas elas são humanas como a gente, e eu acho que os sentimentos são universais, se estão felizes estão, se estão tristes a mesma coisa, e assim é minha profissão, é mais alma do que qualquer outra coisa, é humano.

A pouco tempo você esteve na produção e no elenco de uma peça teatral: Os Mamutes. Como foi a experiência de poder produzir e ao mesmo tempo interpretar?

Os Mamutes foi um presente que o Diretor Alexandre Mello deu na mão de artistas geniais, que são os meus companheiros de cena. O melhor desse processo foi entender o lugar do ator atrás do palco. Eu acho muito importante poder cuidar desde o figurino e cenário, até luz e trilha sonora, poder dar palpite em direção de movimento, e criar coletivamente. Não é fácil, tivemos noites sem dormir, surgem milhões de ideias, que depois temos que deixar algumas pelo caminho e optar o pelo caminho mais coerente e viável, tanto por uma questão financeira, de tempo e logística. Eu descobri uma nova paixão, e descobri amigos incríveis que fizeram parte deste projeto. Pretendemos seguir… A peça está incrível, é uma comédia política, escrita pelo Jô Bilcac há mais de dez anos atrás e é completamente atual, e este é o lugar do Teatro.

Em breve vai ser lançada a série “100 Limites” onde você vai interpretar “Alice” pode falar um pouco sobre a personagem?

Fui convidada no início deste ano para interpretar a Alice, uma personagem inspirada na Mia de Rebelde, uma personagem que fui completamente apaixonada por anos, aceitei imediatamente. Eu gosto muito do público adolescente, e essa atmosfera de Colégio é uma paixão antiga. Foi incrível gravar “100 Limites”, foi uma experiência maravilhosa. Algo que espero poder repetir muito ainda pela frente! E logo logo tá no ar pra galera conferir.

Conta pra gente um pouquinho do novo projeto, “Revoltz” e o que você espera?

Revoltz é uma série adolescente, cinco jovens que se encontram graças a um concurso, e vivem muitas histórias! Eu recebi o roteiro e fiquei muito animada, não conseguia parar de ler e espero que o público não queira parar de assistir. Minha personagem é a Luísa, apaixonada por moda, que consegue um emprego no interior do Rio, mas não era bem como ela tinha imaginado e ela acaba virando correio na empresa. Estou ansiosa pro início das gravações. Eu não canto, mas um amigo que é Mestre da música, Denilson Prata, está me ajudando, então já me sinto mais segura e espero que todos gostem muito.

São muitos projetos e coisas novas por vir, qual mensagem você deixaria para os seus fãs?

Quero agradecer a todo mundo que gosta do meu trabalho, que me acompanha, torce por mim e pela carreira que escolhi seguir. Espero transmitir todo o amor e carinho que recebo diariamente. O apoio de vocês é fundamental, me sinto mais forte e com esperança pra continuar lutando pelos menus sonhos e quero que todos sintam o mesmo, porque só vale a pena essa vida se a gente sonhar, correr atrás, lutar muito e realizar. As coisas acontecem quando criamos oportunidades e nos esforçamos pra que se torne real.

Não se esqueçam de acompanhar a Natalie em todas as suas redes sociais: Facebook / Instagram / Twitter e fiquem ligados nos novos projetos que estão por vir! 

Entrevista: Vitor
Edição: Doug Oliver

Notícias relacionadas