MC Rebecca, revelação do funk proibidão, falou em entrevista ao For The Cultura Brasil – produção original do TIDAL que apresenta entrevistas com artistas sobre carreira, cultura, lançamentos e vida pessoal – sobre seu sucesso no funk proibidão, gênero dominado por homens, maternidade, empoderamento feminino, e ainda exaltou uma de suas maiores referências musicais: Ludmilla.

“A Ludmilla me ajudou muito. Não só por ter me dado a música, mas por ter compartilhado as experiências que viveu – ela foi uma fada madrinha na minha vida”, comentou a MC ao mencionar a faixa “Cai de Boca”, que a introduziu no mundo da música.

Ainda em entrevista para o For The Cultura Brasil, ao ser questionada sobre como concilia sua vida de artista com a maternidade, a cantora – mãe da pequena Morena, de 2 anos – mostra saber lidar bem com tudo isso, colocando em evidência, novamente, a força da mulher. “Ser artista é muito cansativo, você tem que estar antenada em tudo”, diz Rebecca. “Sinto muita falta da minha filha, mas quando a encontro, é tudo maravilhoso. Aprendo cada dia mais com ela. Ela mudou minha vida completamente”.

Desde que “Cai de Boca” estourou em todo o país, sexualidade e empoderamento feminino se tornaram temas comuns em suas composições. Rebecca, que antes de se tornar nacionalmente conhecida como MC Rebecca foi passista da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro, lida diariamente com preconceito e comentários de ódio vindos de homens que não aceitam ver uma mulher cantando abertamente sobre seus prazeres e preferências sexuais, mas ela não se deixa abalar: “Tem muitas mulheres que cantam proibidão hoje, admiro muito essas mulheres que estão junto comigo. O preconceito no funk é constante, mas acredito que a gente está quebrando barreiras”, afirma a MC.

Assinantes do TIDAL podem conferir a entrevista completa aqui.

Notícias relacionadas